Tendências do Livro de Artista

Tendências do Livro de Artista, 1985

Curador: Cacilda Texeira da Costa e Annateresa Fabris

Coletiva

Tendências do Livro de Artista

 

Meu depoimento

 

Em 1985 Cacilda Texeira da Costa, pesquisadora e chefe da Seção de  Programação da Divisão de Artes Plásticas do Centro Cultural São Paulo apresentou o projeto para a exposição Tendências do Livro de Artista em parceria com a professora pesquisadora Annateresa Fabris. Fiquei muito entusiasmado. No entanto pedi que não incluissem coisas minhas já que era o diretor da Divisão de Arte plásticas e me pareceu de pouca ética (refiro-me a mim não a elas).

Incluíram.

 

A apresentação da exposição, no catálogo elaborado por Wesley Duke Lee, ele mesmo um Livro de Artista, traz uma elaborada explicação história do Livro de Artista como categoria. Dela extraí dois trecho que a meu ver explicam essa modalidade da Arte.

 

 

 

 

 

E extrai o trecho que mencina a minha participação

 

 

 

 

 

 

 

Gabriel Borba,2020

Conjunto da Obra

Em Quatro Desentende-se Melhor

PGU 666 ou Artista Profissional

Rebusteia

Receita de Arte Brasileira

TRÄMA

O Estado das Coisa (indicação direta III), 1979

colagem, 65.00 X 46.00 X 0.00

Série / Coleção: O Estado das Coisas

O Estado das Coisas

Meu depoimento

 

Jornais estavam censurados e não disfarçavam. Artigos vetados pelo censor, sob a alegação que a edição estava pronta, eram substituídos ora por mancha preta, ora  por texto alternativo, pura gozação, como poesia clássica ou receita culinária. 

Via constantemente a artimanha e, sobre a primeira página do O Estado de São Paulo, diário muito combativo, registrei O Estado das Coisas. Alusão ao titulo daquele periódico, estado como unidade da federação, substituído por estado como sinônimo de condição.

Gabriel Borba