Flusser 100 Anos

Flusser 100 Anos, 2020

Curador: Baruch Gottlieb

Video performance online

Flusser 100 Anos


Meu depoimento

 

Recebo de  Baruch Gottlieb, Vilém Flusser Archiv, Berlin, convite para juntar-me à celebração dos 100 de Flusser, em evento online do meio dia de 12, de Maio à meia noite, horário alemão. O evento vem em substituição do projetado festival em Robion, França, suspenso por efeito da pandemia de coronavirus em curso.

Optei por um video simples baseado na profunda impressão deixada por episódio da minha experiência como seu assistente. Tive a colaboração de Monai de Paula Antunes, pesquisadora de arte, colaboradora do  Vilém Flusser Archiv, Berlin, tudo feito por recursos de telefone celular, vencendo as distâncias que nos separavam.

O conjunto a que dei o título O Vento Uiva, ouça é composto por declaração; manifestação poética sobre texto lido e finale.

Gabriel Borba, 2020

 

VIDEO

Conjunto da Obra

O Vento Uiva, ouça

O Vento Uiva, ouça, 2020

video performance online

Séries / Coleções: O Vento Uiva, ouça

O Vento Uiva, ouça

Meu depoimento

Para celebrar os 100 de Flusser, em evento online, optei por um video simples baseado na profunda impressão deixada por episódio da minha experiência como seu assistente. Tive a colaboração de Monai de Paula Antunes, pesquisadora de arte, colaboradora do  Vilém Flusser Archiv, Berlin, tudo feito por recursos de telefone celular, vencendo a distância que nos separava.

O conjunto a que dei o título O Vento Uiva, ouça é composto por Declaração; manifestação Poética sobre Texto lido e Finale.

 

Declaração

Trabalhei com Flusser por alguns anos. Era seu assistente. Naqule tempo ele costumava pedir-me que lesse em voz alta aquilo que escrevia. Em uma ocasião pediu-me que lesse Ventos que está no livro Natural:Mente. Mas ele queixou-se que eu lia muito rápido. Retomei a leitura mais devagar e concentrado. Mergulhei no texto, senti o vento e suas variantes e, em um certo ponto umas tantas linhas me emocionaram. Esforcei-me para que não se notasse. Mais uma página até o fim, li a última citação "this is all the wisdom I can reap: I came like water and like wind I go" (esta é a única sabedoria que posso apanhar:  eu vim como água e como vento eu vou). Abaixei o livro, levantei os olhos e percebi que alguma coisa tinha mudado.

Gabriel Borba para O Vento Uiva, ouça

 

 

Texto sob manifetação Poética

“... o vento uiva, isto é, fala. Portanto não é coisa. Coisas não falam. O vento não é um algo; é alguém a quem devo responder, é um tu que me chama para eu ser eu. Por ser um tu, o vento não pode ser imaginado, concebido, conhecido e manipulado. Deve ser ouvido, recebido, reconhecido e seguido. Quando vento é imaginado, concebido, conhecido e manipulado, como é na técnica e teoria, deixa de ser vento e passa a ser movimento de ar, é “objetivado”. E o vento não é objeto: é meu Outro. Não é; existe. Por isso diz Buber: “Deus não é: creio n’Ele”. E Angelus Silesius”Ich weis,  das ohne  mich Gott nicht ein Nu kann leben“ =sei que sem mim Deus não pode viver sequer um instante. O vento é vento para mim, se eu lhe permitir ser vento. E se não lhe permitir, será movimento de ar, e não vento. Se não lhe permtir ser vento, será problema da aerodinâmica parcialmente já resolvido. Mas se lhe permitir ser vento, será enigma. Se não lhe permitir ser vento perderá a voz, e passará a ser vibração em decibéis manipuláveis. Será mudo. Mas agora, nesta noite em que cerca minha casa com fúria desesperada, o vento fala. Porque estou disposto a ouvi-lo. Por isso, a prece que diz “Chemá Israel, JHVH elohenu JHVH ekhád” (ouça, lutador por Deus, JHVH é nosso Deus, JHVH é um), é prece e não afirmação indicativa. Diz: “ouça!”. O vento que cerca minha casa com fúria desesperada nada indica; impera. Se eu lhe permitir isto. Essa é a sua mensagem. A despeito de todas as interferências ainda a recebo em noites como esta. “

Vilém Flusser, Natural:Mente, São Paulo, Duas Cidades,1979 (Ventos, trecho)

 

Finale

"and this is all the wisdom I can reap: I came like water and like wind I go" ("e essa é toda sabedoria que posso alcançar: vim como água, e como vendo eu vou")